Curiosidades

Tokaji Aszú – “O vinho dos reis e rei dos vinhos”

16 Janeiro 2013
  • 1698 visualizações
  • 0 comentários

O Tokaji Aszú húngaro se estabeleceu em meados do século 17 como, provavelmente, o primeiro grande vinho doce do mundo. Saiba mais.

Longa é a estrada em que homens e vinhos caminham lado a lado. Sem dúvida, é o bastante para ter dado origem a histórias fascinantes e tornar lendário os nomes de alguns vinhos.

É o caso do Tokaji Aszú, vinho ícone húngaro, que se estabeleceu em meados do século 17 como, provavelmente, o primeiro grande vinho doce do mundo, ao surpreender o clero e a nobreza europeia com seu sabor envolvente e único.

Atualmente, comidas e bebidas adocicadas fazem parte da nossa alimentação, com preços acessíveis. Porém, nessa época, o acesso a esse tipo de alimento, sobretudo vinho, era muito raro, o que explica a enorme fama do Tokaji Aszú.

História do vinho Tokaji Aszú

Seu estilo inigualável encantou o Papa Pio IV, que o recebeu de presente de um arcebispo húngaro durante o Concílio de Trento (1562). Altamente apreciado pelos czares – especialmente da dinastia Romanov –, pela corte polonesa e a casa real Austro-Húngara, era também presença certa nos banquetes das demais cortes europeias.

Fã desse vinho, o rei Luís XIV, da França, em seus eventos no famoso Palácio de Versalhes, adicionou a seguinte descrição no cardápio, ao se referir ao vinho: “C’est le roi des vins et le vin des rois”, em tradução livre, “vinho dos reis e rei dos vinhos”.

Luís XV, seu sucessor, sempre presenteava sua amante, a famosa Madame Pompadour, com o vinho, cuja descrição em latim era “Vinum Regum, Rex Vinorum”, frase de mesmo significado (“vinho dos reis, rei dos vinhos”). Sua fama ultrapassou os limites da nobreza e foi também fonte de inspiração para escritores como Voltaire, Rabelais e Goethe.

Dica de leitura:  Austrália: uma joia do Novo Mundo

De acordo com Voltaire, esse vinho “revigora todas as fibras do cérebro e, no fundo da alma, produz um delicioso brilho de inteligência e bom humor”.

No final do século 17, os vinhos Tokaji Aszú possuíam tanta fama por toda a Europa que o príncipe Francis II Rákóczi insistiu que fosse elaborada uma classificação com as melhores vinhas em torno das 28 aldeias da região de Tokaj.

Como é produzido o vinho Tokaji Aszú

Mas esse pedigree todo tem sua razão de ser. O Tokaji Aszú é de fato um vinho diferenciado e muito se explica pelo seu processo de produção.

As uvas que o originam (geralmente Furmint, Hárslevelü e Yellow Muscat) são colhidas durante sua melhor maturação e, durante a fermentação, parte delas é atacada naturalmente pelo fungo Botrytis cinerea.

uvas colheita tardia

Ele provoca a desidratação dos frutos e eleva a concentração de açúcar e acidez. Essa mistura é acrescentada à vinificação, aumentando assim a complexidade do vinho.

Sua maturação mínima antes de ir para o mercado é de 3 anos, sendo 2 a 18 meses em barricas de madeira. Já o teor de açúcar residual mínimo, de acordo com a legislação húngara, é de 120 g/L.

Mudança de legislação

Até o ano de 2014, era muito comum encontrar o termo Puttonyos (cesto de madeira, com capacidade de 25kg) no nome de alguns vinhos húngaros.

Puttony

Os números, sendo 3 o menor e 6 o maior, se relacionavam à quantidade de açúcar, que era crescente, e também ao nível de qualidade, sendo o de 6 Puttonyos o mais adocicado, além de ter melhor qualidade.

Dica de leitura:  Vinhos elaborados com uvas botritizadas

Após a sansão dessa nova regra, foi eliminada pela legislação a obrigatoriedade do termo Puttonyos como unidade de medida de doçura. Mas não se preocupe!

Se, por acaso, você encontrar algum exemplar com essa nomenclatura no mercado, com safra posterior a de 2014, pode comprar sem receios, pois alguns produtores preferiram manter essa tradição em seus vinhos.

Pela atual legislação húngara, o hall dos vinhos adocicados do país permaneceu da seguinte forma (em ordem crescente):

Eszencia

Elaborado apenas com uvas atacadas pelo fungo Botrytis cinerea com mínimo de 450 g/L de açúcar residual e mínimo de 27,75% de álcool.

Aszú

Durante a fermentação, é adicionado uma parte de uvas atacadas pela Botrytis cinerea. Deve possuir mínimo de 120 g/L de açúcar residual e mínimo de 19% de álcool.

Szamorodni

Édes

Durante a fermentação, é adicionado uma parte de uvas atacadas pela Botrytis cinerea. Deve possuir mínimo de 45 g/L de açúcar residual e mínimo de 15,12% de álcool.

Fordítás

Édes

Durante a fermentação, é adicionado uma parte de uvas atacadas pela Botrytis cinerea. Deve possuir mínimo de 45 g/L de açúcar residual e mínimo de 12% de álcool.

Máslás

Édes

Durante a fermentação, é adicionado uma parte de uvas atacadas pela Botrytis cinerea. Deve possuir mínimo de 45 g/L de açúcar residual e mínimo de 15,12% de álcool.

Késői szüretelésű bor

Sem mínimo de açúcar residual, mas com álcool mínimo de 12,8%.

 

Escrito por: Taimmy Rodrigues

Sommelière, capixaba, com formação em História, Alta Gastronomia e em vinhos pela WSET.