Sommelier Wine

Saiba tudo sobre o vinho Chianti

30 Maio 2018
  • 535 visualizações
  • 0 comentários

Chianti, um dos vinhos mais famosos da Itália, é riquíssimo de histórias e sabores. Conheça.

O Chianti é um vinho italiano famoso e renomado. O nome é usado para denominar rótulos de várias áreas diferentes, mas dentro de um mesmo território, a belíssima Toscana.

As belezas, a história, as sensações e os sabores únicos do Chianti encantam enófilos mundo afora.

O nome Chianti

O significado do nome Chianti vem de “bater de asas” ou “fanfarra de buzinas e sons” ou simplesmente a extensão da palavra etrusca “Clante”, encontradas em registros do século XIV.

Conhecido também como “vermelhão” ou “vinho de Florença”, só no século XVII, com a intensificação das vendas e exportações, o nome da região foi mais difundido.

Localização da região Chianti

A Toscana está localizada no centro da Itália e, no centro da Toscana, entre Florença, Siena e Arezzo fica Chianti , uma encantadora região coberta de colinas, cercada pelas principais cidades “artísticas” da região.

Geograficamente falando, Chianti é uma terra montanhosa que se estende por cerca de 20 km (do norte-sul-sudeste), cujo ponto mais alto é Monte San Michele , Monte St. Michael , a 893 mt. Existem 5 rios que cruzam e definem a área com: os rios Pesa, Greve, Ombrone, Staggia e Arbia.

História de Chianti

Desde a Idade Média até o Renascimento, Chianti foi um campo de batalha contínuo para as lutas entre Siena e Florença. Castelos e fortalezas, que ficam no topo de muitas colinas com vista para o campo, são testemunhos desse passado glorioso e atormentado.

Dica de leitura:  Dia do Imigrante Italiano

A base ampelográfica do Chianti é de 1870 e é devida ao Barão Bettino Ricasoli. Segundo sua teoria, o vinho recebe da Sangiovese a principal dose de seu perfume e um certo vigor de sensação. Da Canaiolo, a amabilidade que amolece a dureza da Sangiovese, sem tirar nada de seu perfume. A Malvasia tende a diluir o produto das duas primeiras uvas, aumentando o sabor e tornando o vinho mais leve e pronto para beber.

Consorzio Vino Chianti

O Consorzio Vino Chianti foi fundado em 1927 por um grupo de vinicultores das províncias de Florença, Siena, Arezzo e Pistoia. A área de produção inicial, definida pelo decreto ministerial de 1932, foi alterada várias vezes.

Primeiro com um Decreto do Presidente da República, de 9 de agosto de 1967, no qual foram incluídos mais territórios vizinhos, caindo nas províncias de Arezzo, Florença, Pisa, Pistoia e Siena.

Em 2 de julho 1984, graças ao hábil trabalho dos produtores de vinho e da indústria, foram criadas as condições para que o vinho Chianti fosse elevado à Chianti D.O.C.G., pelo Decreto do Presidente da República da Itália.

Hoje 3.000 fabricantes, com mais de 15.500 hectares de vinhas que produzem 800.000 hectolitros de Chianti das várias áreas e tipos, são protegidos pelo consórcio.

Os vinhos são produzidos a partir da uva tinta Sangiovese (que deve compor no mínimo 70% do vinho). As uvas tintas das variedades Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc não poderão exceder o limite de 15% em conjunto, enquanto que as uvas brancas (especialmente Malvasia) não poderão exceder o limite de 10% do vinho.

Dica de leitura:  Série uvas – Negroamaro

A denominação de origem O.C.G.

Quanto às microrregiões:

Chianti Colli Aretini

Chianti Colli Fiorentini

Chianti Colli Senesi

Chianti Colline Pisane

Chianti Montalbano

Chianti Montespertoli

Chianti Rufina

Quanto ao amadurecimento:

Chianti Rosso

Amadurecimento: mínimo de 4 meses.

Exceções:

Chianti Montespertoli: mínimo de 7 meses.
Chianti Colli Fiorentini: mínimo de 10 meses.
Chianti Rufina: mínimo de 10 meses.
Chianti Superiore: mínimo de 10 meses.

Chianti Riserva

Amadurecimento mínimo de 2 anos.

Exceções:

Chianti Colli Fiorentini: mínimo de 2 anos, incluindo 6 meses em barricas.
Chianti Rufina: mínimo de 2 anos, incluindo 6 meses em barricas.
Chianti Colli Senesi: mínimo de 2 anos, incluindo 8 meses em barricas e 4 meses em garrafas.

Chianti Classico

Tornou-se uma D.O.C.G. separada e independente em 1996 e possui 7.200 hectares. Para ser um Chianti Classico, o vinho deve ter, no mínimo, 80% de Sangiovese e 20% de outras uvas tintas autorizadas.

Dividido em três categorias:

Rosso – sem indicação de amadurecimento mínimo;
Riserva – amadurecimento mínimo de 24 meses, incluindo 3 meses em garrafa;
Gran Selezione – as uvas só podem ser próprias da vinícola e o amadurecimento mínimo é de 30 meses, incluindo 3 meses em garrafa

Recomendamos para você:

( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
Escrito por: Taimmy Rodrigues

Sommelière, capixaba, com formação em História, Alta Gastronomia e em vinhos pela WSET.