Sommelier Wine

Vinhas velhas

12 maio 2017
  • 3366 visualizações
  • 0 comentários

Vinhas velhas originam uvas mais concentradas de aromas, sabores e, consequentemente, vinhos mais intensos. Confira.

Você provavelmente já deve ter ouvido falar sobre vinhas velhas. Esse é um termo que aparece frequentemente estampado em rótulos de vinhos para dizer que as uvas que os originaram são provenientes de videiras mais antigas. Mas o que os diferenciam dos exemplares que vêm de vinhas jovens?

Vinha jovens e vinhas velhas

As videiras são plantas arbustivas da família das vitáceas. A espécie responsável por gerar vinhos finos é a Vitis vinifera. Após cultivada, ela precisa de um tempo mínimo, cerca de três anos, para começar a expressar suas características efetivamente.

As vinhas jovens possuem raízes rasas e captam mais água, gerando assim uvas maiores, uma maior quantidade de cachos e suco, além de cascas mais finas.

Já as videiras mais vividas, que alguns estudiosos consideram a partir dos 40 anos, embora não haja consenso, possuem menor rendimento, volume de cachos, cascas das uvas mais grossas e estão plenamente adaptadas ao seu solo e clima. Os escassos cachos são mais concentrados, complexos em aromas e sabores, resultando em vinhos únicos, intensos e cheios de personalidade.

Dica de leitura:  Quando, como e por que decantar um vinho?

E em relação à qualidade dos vinhos?

A idade estipulada para uma videira ser considerada velha pode variar bastante, principalmente, por existirem áreas produtoras mais antigas e outras mais recentes. Levando em consideração o ataque da filoxera, que em meados do século XIX devastou vinhedos de diversos países do mundo, estima-se que as videiras mais antigas atualmente possam ter cerca de 150 anos de idade.

Vinhas velhas são responsáveis por produzir vinhos que expressam muito bem o terroir local, já que suas raízes atingem maior profundidade. Mas isso não está ligado necessariamente a uma maior qualidade do produto final, de forma alguma.

As condições do terroir, de forma geral, os cuidados com a planta, a poda, a irrigação, tudo isso influencia em quão bom um rótulo pode ser. Videiras velhas sem os cuidados adequados podem sim gerar uvas e, consequentemente, vinhos ruins, da mesma maneira que vinhos jovens podem originar exemplares incríveis.

Vinhos de vinhas velhas para você experimentar:O ClubeW Advanced deste mês traz dois vinhos elaborados com uvas provenientes de videiras antigas, o La Encina Centenaria Old Vines Monastrell 2014, que tem 90 pontos Robert Parker, e o Barahonda Campo Arriba Old Vines 2014, que tem 93 pontos Robert Parker.

Dica de leitura:  Rolinho vietnamita com camarão e repolho

Ernst Loosen Private Reserve Riesling 2015 é uma safra exclusiva e reservada para a Wine, elaborado com uvas que possuem idade média de 60 anos, no Mosel, coração dessa variedade na Alemanha.

Os vinhedos de Carignan que dão origem ao Canepa Genovino são provenientes de vinhas antigas, com idade média de 60 anos.

O OVG Old Garnacha Vines é produzido na D.O. Calatayud, com vinhas antigas, cujas idades variam entre 70 a 100 anos, num processo de colheita manual para preservar ao máximo as uvas

Produzido a partir de vinhas centenárias, o Goulart M The Marshall Reserva Malbec 2011 é um tinto que honra o fundador da vinícola, Marechal Gastão Goulart, figura histórica de nosso país.

Recomendamos para você:

( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
( )
R$##,##
Sócios ClubeW: R$##,##
CONFIRA
Escrito por: Nicole Batista

Sommelière e Bacharel em Química, fez imersão em algumas regiões vitivinícolas da Europa e América do Sul.